Top

Neyda Nerbass Ulysséa – Uma Lição de Vida

 

Nascida em Lages, Santa Catarina em 1934, Neyda Nerbass Ulysséa é a mais nova entre os seis filhos de João Nerbass, conhecido como Janjão e Alice Schmidt Nerbass.

 

Viveu uma infância feliz, sempre muito paparicada pelos pais e irmãos. Cresceu em uma chácara em Lages, em contato direto com a natureza, onde falava com as árvores e já percebia a conexão humana com a natureza.

 

Com 3 anos de idade possuía uma forte compaixão pelos animais, rejeitava a alimentação com carne e perguntava aos seus pais quem é que eles tinham sacrificado, gerando um certo desconforto entre eles.

 

Aos 16 anos, tinha o hábito de ler sobre yoga e espiritualidade. Sempre se identificou com a cultura indiana, gostava das danças, se encantava com os rosários que via nas missas católicas e anos depois encontrou no japamala – cordão sagrado usado para contar mantras – a companhia para suas meditações. Outro ponto admirável, segundo ela é a forma com que os indianos se cumprimentam, unindo aos mãos em frente ao peito, inclinando a cabeça para frente, pronunciando o “Namastê”, que significa: “O Deus no meu coração, saúda o Deus no seu coração”. Quando visitou à Índia pela primeira vez, teve a sensação de que havia chegado em casa.

 

De família espírita, seus pais lhe conferiram a liberdade de poder escolher a sua religião. Hoje permanece espírita, mas com a visão da unidade que transmite a consciência de que somos todos um e a fraternidade no coração.

 

Ainda em Lages, freqüentava o centro espírita Allan Kardec, onde além de estudar, também foi presidente da Juventude Espírita. Lá, aos 20 anos, conheceu o seu futuro marido Octávio Melchiades Ulysséa.

 

Por intermédio de seu mestre de yoga, Swámi Sêvánanda, Neyda e Octávio se aproximaram durante o II Congresso Espiritualista de Religiões Irmanadas, realizado em Florianópolis em 1955 por Octávio e que reunia, na época, 40 líderes religiosos e de movimentos espiritualistas para acrescentar suas visões sobre um tema comum. O tema abordado foi “Os tempos são Chegados”, onde falavam sobre as mudanças que iriam ocorrer.

 

No mesmo ano noivaram e se casaram no ano seguinte, em Lages, ela com 21 e ele com 25 anos.

 

Em seguida viajaram em lua de mel para Resende, no Rio de Janeiro, e se hospedaram no Monastério AMO-PAX, onde receberam a benção pelo casamento.

 

Após a lua de mel, foram morar em Vitória – ES, onde realizaram em dezembro do ano de 1956 o III Congresso de Religiões Irmanadas em conjunto com o Sr. Alziro Zarur, fundador da legião da Boa Vontade, que ofereceu todo o apoio necessário.

 

Após o Congresso, voltaram para Joinville em Santa Catarina, onde moraram por dois anos. Após este período, Octávio que era militar, foi transferido para o Colégio Militar de Curitiba.

 

Naquela época, os planos eram continuar fazendo congressos, até que foram convidados para participar de um trabalho espiritual na casa do Dr. Jaime Aben-Athar, médico psiquiatra da aeronáutica, com um grupo de 15 pessoas. Lá, a médium presente olhou para eles e disse: “A tarefa de vocês é a educação, não são eventos de congressos, vocês devem voltar a estudar e se preparar para a tarefa.”

 

E o casal assumiu totalmente a tarefa, desenvolvendo o Projeto Unibem – Universidade Bezerra de Menezes, para o qual foi intuitivamente e mediunicamente orientado.

 

Como parte deste Projeto estão as Faculdades Integradas Espírita, para viabilizar na prática a missão da instituição de profissionalizar e formar homens e mulheres melhores para a sociedade, pessoas boas, generosas e humanas.

 

No projeto Unibem, o trabalho envolvia desde a creche até o ensino superior e também pós-graduação, sendo que a proposta educacional foi de visão integral: corpo, mente e espírito, o que anos depois veio a ser o paradigma vigente, de visão holística.

 

Abaixo, o logotipo do Instituto de Cultura Espírita do Paraná, mantenedora do Projeto Unibem, e ao lado, sua ilustração simbólica, com a descrição do significado.

 

 

 

 

A filosofia de educação está simbolizada no Logotipo. A linha vertical busca a sintonia com a espiritualidade, com a divindade em si mesmo (SELF). As linhas laterais expressam o movimento em direção ao outro, a inter-relação com os outros seres humanos e com todos os seres vivos. No centro, onde as linhas quase se interconectam, está o coração, centro da vida e da essência, símbolo do amor incondicional, que se exterioriza na bondade e na compreensão. Caracterizando o homem de caráter no sentir, pensar e agir, em constante desabrochar de seus potenciais intrínsecos em níveis de consciência em expansão. Considerando que cada ser humano ou ser vivo representa um elo na imensa rede da vida, dentro da unidade maior, esse ser integral corpo-mente-espírito será direcionado pelas experiências existenciais, vivenciadas em valores humanos e espirituais princípios éticos que o inspirarão à fraternidade e a cooperação, consciente de sua cidadania.

 

Abaixo, a imagem da mandala do Projeto Unibem e sua descrição:

 

 

 

 

A forma mandálica se constitui de 4 círculos concêntricos. O círculo menor, localizado ao centro, é de onde flui para toda a mandala a filosofia de educação, que é o centro de orientação filosófica. O segundo círculo representa a Universidade, cuja função é capacitar a formação profissional, função do conhecimento. O terceiro círculo, situa a Multiversidade, que é uma mentalidade de educação informal e continuada, com a função de espiritualizar e transcender. O quarto círculo são os Multicentros, espaços que abrigam instituições de prestação de serviços à comunidade na área da educação, da saúde, da pesquisa e da espiritualidade.

 

Esta forma mandálica é sub-dividida em 3 áreas com níveis que representam as 3 ecologias funcionando sistêmicamente:

 

– Estudo da Natureza do Homem

– Estudo da Natureza do Habitat

– Estudo da Natureza da Sociedade, com ênfase na saúde

 

A escola começou com um grupo pequeno de alunos de 1ª a 4ª serie em uma casa antiga no bairro Santo Inácio em um terreno adquirido pela instituição em Curitiba, inicialmente oferecendo cursos livres e palestras, pois estavam se preparando para dar o passo maior, que viriam a ser os cursos superiores. Na época, lá funcionava também um posto de saúde para atender a comunidade do bairro.

 

 

 

Ao mesmo tempo em que tudo isto acontecia, a professora Neyda atendia ao pedido inicial de se preparar para ser útil à Instituição, estudando a consciência do ser humano. Para isso, optou por realizar o curso de Psicologia Clínica pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Tuiuti, onde passou em 2º lugar na primeira turma. Porém, encontrou o verdadeiro caminho do estudo da consciência após terminar o curso, através do trabalho do psicólogo Pierre Weil relacionado à Psicologia Transpessoal.

 

 

 

Entre inúmeros outros cursos, realizou também as seguintes pós-graduações nas Faculdades Integradas Espírita: Parapsicologia, Hipnologia Clínica, Educação em Valores Humanos (fundada por ela)  – ligado a metodologia Educare da Universidade de Prashanti Nilayam na Índia – reitor Satya Saybaba; Psicologia Transpessoal, associada com o instituto de Psicologia Transpessoal de São Paulo sob a responsabilidade da psicóloga Zilda Moretti.

 

 

 

 

A professora Neyda criou também o programa Vivências para a Auto-Consciência – um laboratório de sensibilidade, onde o objetivo era trabalhar a sensibilidade e a sensitividade social.

 

No ano 2000, visitou a Índia como parte da equipe da Delegação Brasileira de Educação e Valores Humanos, quando conheceu o trabalho de grandes mestres e educadores espirituais, no Congresso Internacional sobre Educação para o Terceiro Milênio, realizado na Universidade de Prashanti Nilayam.

 

Dentro do Projeto Unibem, Neyda e Octávio fundaram mais de 30 projetos sociais em diferentes áreas, entre eles:

 

Educação – A serviço da consciência e evolução – Curitiba, PR e Santa Catarina

– Escola André Luiz – Campus I

– Escola Onofre Soares – Campus II

– Casa do Artesanato e Agro-Indústria “Eurípedes Barsanulfo” – Campus I

– Curso de Parapsicologia – Curso Livre

– Instituto de Arte Transcendental

– Universidade Aberta da Melhor Idade

– Centro de Estudos de Educação em Valores Humanos Universais

– Centro de Educação e Potencial Humano – Campus IV – Lages, SC

 

Saúde – O homem: uma visão holística de saúde – Curitiba, PR

– Instituto da Saúde “Dr. Bezerra de Menezes” – Campus I

– Unidade de Psicologia e Psicopedagogia – Campus I

– Centro de Orientação em Parapsicologia

– Casa da Saúde “Dr. Bezerra de Menezes” – Campus II

– Horto de Plantas Medicinais – Campus II

 

Espiritualidade – O encontro com a essência pela transcendência – Curitiba – PR

– Centro Espírita “O Bom Samaritano” – Campus I

– Fraternidade Ramatis – Campus I

– Centro Sri Sathya Sai Pantheon

– Casa do Caminho “Eurípedes Barsanulfo” – Campus II

– Pequena Índia – Campus II – Piraquara, PR

– Núcleo Espírita Universitário – NEU

– Retiro Espiritual Castelhanos

– Grupo de Estudos Pietro Ubaldi

– Grupo de Atendimento Espiritual “Dr. Bezerra de Menezes” – Piraquara, PR

 

Serviço de Apoio Social e Espiritual

– Disk Espiritismo

– Atendimento de Yoga e EVH na Casa de Custódia

 

Pesquisa – A busca de novas descobertas para o desenvolvimento saudável do homem e da natureza – Curitiba, PR

– Instituto Nacional de Pesquisa Psicobiofísica – INPP

– Instituto de Estudos da Consciência

– Gansfield – Parapsicologia

– Instituto de Neurofisiologia do Sistema Nervoso

– Instituto de Noergologia

– Centro de Estudo sobre Convergência entre Tradições Religiosas e Ciência – CECTEC

 

Com relação aos projetos sociais, só para ter uma idéia, milhares de meninos foram atendidos em Lages e tiveram acesso nas décadas de 60 a 70 a alimentação, cursos de marcenaria e formação de mão de obra geral. Os meninos hoje são homens de meia-idade e melhoraram suas vidas com estes cursos de formação, que eram gratuitos.

 

Outro Projeto foi o da Escola Rural, com 280 crianças carentes oriundas de bairros de risco, atendidas por ano. Na escola encontraram suporte, valorização, o que as ajudou muito na sua formação como cidadãos.

 

 

 

 

Também receberam apoio as crianças de Antonina nas décadas de 60 a 70 para estudarem em Curitiba. Algumas foram encaminhadas ao emprego na própria Faculdade Espírita.

 

Outro projeto é o Espaço Fraterno Neyda Ulysséa, que hoje atende 50 crianças carentes.

 

A professora Neyda recebeu também diversas homenagens e premiações, entre elas a mais recente foi o “Prêmio Propagadores de Felicidade” – durante o II Congresso Internacional de Felicidade realizado em Curitiba.

 

fotografia © 2017 Rubens Nemitz Jr

 

A psicóloga Anice Vitória Marques Cury, que trabalhou por mais de 30 anos com Neyda e Octávio, relata: “Eles são missionários e visionários. São aquelas pessoas que olham além do tempo, além do espaço, além da cultura, são capazes de fazer esse vôo para fora e junto com eles trouxeram muitas pessoas para essa visão e possibilidade de ser útil a sociedade de uma forma diferente. Não é uma forma pragmática do toma lá dá cá, mas é o ser útil a sociedade de tal maneira que você sirva sem esperar nada em troca. Eles inspiraram muitas e muitas pessoas. Nunca ninguém chegou perto deles sem receber um valor, entregavam o que tinham para ajudar quem precisava, isso aconteceu muitas e muitas vezes”.

 

Anice destaca que a Faculdade Espírita sempre foi uma imensa família e que todos sempre se sentiram dentro dela. “Era uma alegria imensa a presença de todos, era uma troca e funcionava pela manhã, à tarde e à noite” relembra a professora Neyda.

 

A professora Neyda foi precursora em Curitiba na divulgação dos trabalhos e dos estudos da Psicologia Transpessoal, considerada a quarta força em Psicologia. Nas décadas de 80 e 90, foi responsável por implantar cursos, seminários e em 2001, a pós-graduação de Psicologia Transpessoal nas Faculdades Integradas Espírita.

 

Anice complementa: “A professora Neyda foi precursora também dos grupos da Melhor Idade, inclusive usando este termo como uma visão antecipada daquilo que seria uma necessidade futura da sociedade, que é a convivência entre os idosos e as pessoas que estão na faixa acima dos 60 anos. O primeiro curso foi em maio de 1996. Nessa época não se falava em grupos de convivência da terceira idade. Criou a Universidade Aberta da Melhor Idade, onde criou condições para que os idosos pudessem fazer reciclagens, tanto no nível cognitivo, quanto na parte de autoconhecimento e na busca da auto-transcendência. Tudo dentro do projeto universitário, em um momento em que não se falava sobre isso. Agora que se começa a falar em cursos para os idosos e isso era falado lá na década de 90, com a professora Neyda implantando e formando grupos imensos de estudos, aprendizagem, vivências e arte. Foram pioneiros em varias áreas, no primeiro curso de pós graduação em Homeopatia nas Faculdades Integradas Espírita, em Acupuntura também, com convênio com instituições chinesas, e pelo mestrado em Acupuntura.”

 

“Eles fizeram um esforço hercúleo, sem nunca ter recebido nada por isso, muito pelo contrário, tudo o que eles fizeram foi doar, inclusive seus próprios recursos, passando dificuldades dentro da sua casa em função do benefício coletivo, sempre pensando no bem-comum e propiciando a milhares de jovens alimento, educação, cuidado e emancipação através do estudo. Milhares de alunos passaram pela Faculdade Espírita com bolsas de estudos, pessoas que jamais poderiam ter estudado, ganhavam inclusive local para moradia, a casa deles era muitas vezes acolhimento desses jovens que vinham para estudar e não tinham onde ficar. Muitos jovens vieram de outros estados e voltaram para os seus estados levando a Naturoterapia, a Parapsicologia e Yoga.” diz Anice.

 

Anice complementa: “Quando a professora Neyda fala de mudança de mentalidade na transição de paradigmas, da cultura vigente para o novo, eles semearam, fizeram a semeadura preparando milhares de pessoas. Não apenas em cursos formais, mas também em cursos de extensão e informais, dentro da visão espiritual em uma linguagem universal. É uma instituição espírita, mas com uma visão universalista. Sempre abrigou projetos de todas as religiões. A preparação espiritual para a recepção do Dalai Lama em Curitiba foi feita no campus da Faculdade Espírita, tecendo a teia da paz sob a coordenação do Lama Padma Samten”

 

Eventualmente a professora Neyda ainda encontra algum ex-aluno que foi assistido pelos programas sociais criados por eles há muitos anos. Muitos deles hoje são profissionais atuantes no mercado de trabalho, alguns chegaram a realizar até mesmo a formação de pós-doutorado, e são eternamente gratos pelo apoio recebido.

 

Neyda e Octávio sempre caminharam lado a lado, ambos possuíam a mesma missão de entrega ao ideal de servir, de crescer e se espiritualizar. Nunca pensaram em remuneração, o amor genuíno ao próximo sempre prevaleceu em suas vidas.

 

 

 

Criaram e educaram seis filhos, hoje Neyda possui onze netos e dez bisnetos.

 

Neyda e Octávio foram casados por 53 anos, até o ano de 2009 quando o professor Octávio Ulysséa faleceu.

 

A professora Neyda deixa aqui a sua mensagem à todos:

 

“Procurem aproveitar o tempo no sentido mais completo de viver, buscando a realização espiritual. Este é um caminho que nos torna pessoas felizes por que não nos prende ou deixa apegados a nada. Além disso, também nos faz tornar felizes aqueles que nos acompanham na nossa caminhada evolutiva. Namastê!”

 

Imagem Destaque – fotografia © 2017 Rubens Nemitz Jr