Top

Feng Shui com Bernadette Dobignies

De acordo com o Feng Shui – arte milenar chinesa – nossa casa, assim como os locais em que frequentamos, possuem o poder de influenciar vidas através de aspectos energéticos que resultam da sua localização, direção, características e posição dos cômodos, móveis e objetos de decoração, e até mesmo a partir de tudo o que se encontra em seu entorno, nas ruas mais próximas e em construções vizinhas.

 

Cada um destes pontos possui determinados tipos de energias que afetam a qualidade de vida de quem ali permanece, influenciando desde a sua saúde até áreas da vida referentes a relacionamentos, espiritualidade, prosperidade, desenvolvimento e criatividade.

 

Segundo o mestre Lam Kam Chuem, “Todo ser humano vive sob a influência de dois imensos campos de energia. Abaixo de nós, o constante poder da Terra. Sobre nós e através da imensidão do espaço, a energia dos cosmos.” Entender a influência dessas energias, e o seu impacto na vida dos indivíduos é a base do Feng Shui.

 

Esta citação retrata o início de dois dias de muitos aprendizados vivenciados durante o curso de Feng Shui ministrado pela arquiteta e terapeuta Bernadette Dobignies, que trabalha com a linha denominada “Escola da Forma”. O curso aconteceu no espaço Lakshmi, e acompanhamos cada momento à convite da organizadora de cursos holísticos Silvia Werner.

 

Abaixo, selecionamos alguns momentos do curso, que trouxeram mais do que interessantíssimos e curiosos aprendizados, mas também uma oportunidade essencial para colocar a sabedoria do Feng Shui em prática, harmonizando e curando ambientes, confiram:

 

 

Bernadette ensina que o Feng Shui é uma filosofia de vida baseada nos cinco elementos – Terra, Fogo, Água, Ar e Metal – e que possui o objetivo de harmonizar e curar ambientes, e consequentemente, tem o poder de equilibrar e transformar vidas.

 

Tudo isso acontece porque a energia vital, conhecida por CH’I, que é a fonte de todas as coisas, flui através do ar, acompanhando o formato dos itens e objetos presentes em cada espaço. O CH’I é parte do TAO, que é a energia da qual o Universo se originou. O TAO se manifesta na forma de duas energias opostas e complementares, o Yin e Yang.

 

 

Seu primeiro movimento criou a energia Yang, que representa a luz, calor e atividade, onde após ter se expandido ao máximo, gerou o seu oposto, Yin, que representa o frio, escuro, passividade.

 

O movimento de alternância entre estas energias opostas gera o frio, calor, secura, umidade, vento e fogo. Sob influência combinada dos 5 planetas, Júpiter, Vênus, Marte, Mercúrio e Saturno, com os 5 elementos, se produzem as estações.

 

Bernadette explica também que o Feng Shui vai muito além da conhecida aplicação do Baguá – figura octogonal que funciona como uma bússola para os chineses – sobre a planta de uma residência ou escritório.

 

 

Para que esta avaliação seja completa, é importante conhecer também quem vive no local e suas características energéticas individuais, avaliadas a partir do horóscopo chinês. Com esta análise, que é feita a partir da data, hora e local de nascimento, é possível identificar se há excesso ou falta de algum elemento em sua vida.

 

Além disso, o entorno do imóvel ou da área em questão também deve ser considerado para analisar qual o tipo de energia predomina na região, e qual deverá ser reforçada ou minimizada para que se alcance o equilíbrio energético no local.

 

Características da rua em que o imóvel está situado, e até mesmo de outras casas, edifícios e da própria natureza presente nesta mesma região também afetam, e muito o seu equilíbrio energético. Isto sem falar de quando há a presença de antenas ou transformadores, que irradiam ondas nocivas.

 

Externamente, itens como o formato, a cor e o material que compõe a estrutura do local, assim como o telhado e detalhes de acabamento devem ser observados.

 

Internamente, estas mesmas características precisam ser analisadas, porém agora referentes a formas, cores e materiais dos móveis e acabamentos.

 

Uma mesa, por exemplo pode ter o formato redondo, oval, quadrado, retangular ou assimétrico. Pode também ser confeccionada com vidro, madeira, metal, pedras ou materiais sintéticos. Além disso, dependendo do material, pode possuir também diferentes cores.

 

Cada uma destas características tem o poder de influenciar energeticamente o espaço em que se encontra.

 

Segundo Bernadette, entre as características de forma, material e cor, a forma é a mais importante, pois é a que direciona a passagem de energia que acontece com o movimento do ar e tem o poder de criar determinadas frequências.

 

Sabendo disso, passamos a ter consciência da importância das escolhas bem pensadas para cada ambiente, afinal não são meros detalhes.

 

O Baguá, ilustrado logo acima, é o símbolo de proteção que reflete a ordem primordial do universo e pode ser utilizado do lado de fora das casas, logo acima da porta de entrada principal.

 

Ele possui nove áreas chamadas de Guás, uma em cada direção e outra localizada no centro. Cada uma delas corresponde a uma área específica da vida que será harmonizada em cada espaço da casa, a partir de ajustes, que variam de casa para casa e de pessoa para pessoa.

 

O 1º Guá situado na direção Leste, se refere a família e ancestrais, é onde tudo começa; o 2º na direção Sudeste, é o da prosperidade, objetivos e metas; o 3º na região Sul corresponde ao desenvolvimento e perseverança; o 4º na região Sudoeste refere-se ao relacionamento amoroso, o 5º no Oeste, corresponde a área de criação e filhos; o 6º no Noroeste, identifica relacionamentos sociais e amizades; o 7º no Norte corresponde ao trabalho interior e meditação; o 8º na região Nordeste indica a área da espiritualidade e ainda pode-se considerar um 9º Guá, localizado no Centro, que corresponde à saúde.

 

O Baguá pode ser utilizado tanto para localizar as diferentes regiões dentro de uma casa ou apartamento, por exemplo, como para equilibrar a energia de um cômodo específico ao identificar a posição de cada Guá dentro dele, e com isto, vem as orientações sobre quais itens e características deveriam estar presentes neste local.

 

Para aplicação do Baguá é necessário ter a planta da casa, sala ou apartamento. O primeiro passo é definir o seu centro geométrico, local onde se encontra a área relacionada à saúde, a partir de onde toda a energia flui.

 

Com o auxílio de uma bússola é possível visualizar as diferentes áreas ou Guás e identificar na planta, em que regiões da casa se encontram.

 

Após identificar cada área, os ajustes começam a ser feitos, sempre começando pelo 1o Guá, aquele que corresponde a família e ancestrais e simboliza o início de tudo. Este inclusive está localizado na região Leste, onde nasce o sol.

 

Existem ainda inúmeras indicações para adequar a região correspondente a cada Guá. Deve-se realizar as alterações em até 3 Guás de cada vez e ir observando os efeitos antes de partir para os próximos, seguindo sempre a ordem numérica do 1º ao 9º Guá.

 

Outro ponto citado pela Bernadette é sobre a importância de se utilizar os adesivos com o gráfico André Philippe atrás de aparelhos eletrônicos para neutralizar o efeito das ondas nocivas emitidas por eles, que são inclusive cancerígenas.

 

 

Estes são apenas alguns pontos gerais que foram vistos e aprofundados durante o curso, e que quando colocados em prática, além de transformar o ambiente externo, influenciam também a vida de todos que ali permanecem.

 

Bernadette nos conta ainda em uma entrevista um pouco mais sobre o seu trabalho com o Feng Shui, confiram!