Top

Entrevista Cacilda Moreno – Biotipologia

Conversamos com a terapeuta Cacilda Moreno durante o seu curso Biotipologia – O Poder Dentro de Você, realizado em Curitiba pela organizadora de cursos holísticos Silvia Werner.

 

Cacilda é Enfermeira, Radiestesista, Acupunturista, Fitoterapeuta, Reikiana, trabalha com Florais de Bach, Australiano, Californiano (para animais), e é também especialista em Biorressonância e Desintoxicação de Metais Tóxicos.

 

Aqui ela nos conta detalhes sobre o seu trabalho com a Biotipologia, esse conhecimento fascinante que tem mudado a vida de muitas pessoas através de uma alimentação personalizada que leva em conta as particularidades físicas, emocionais e energéticas de cada um.

 

Você poderia nos falar um pouco sobre a sua trajetória e como iniciou o seu trabalho com a Biotipologia?

Eu comecei a trabalhar com Enfermagem, e trabalhando no hospital fiquei sabendo de uma pesquisa em que as pessoas saiam de lá mais desnutridas do que chegavam. Comecei a perceber que alguns ficavam bem, melhoravam com a alimentação recebida, enquanto que outros não. Então passei a estudar a alimentação, desde a macrobiótica, passando pelo vegetarianismo, pelos alimentos crus e fui aprendendo com cada um deles, mas nenhuma área supria todas as minhas dúvidas. Foi quando por acaso, uma sobrinha participando de uma palestra sobre Biotipologia me falou sobre o assunto e tive vontade de conhecer. Lá eu vi coerência e saída para uma série de situações e de doenças. A partir daí eu comecei a estudar a Biotipologia e a aplicá-la como terapeuta, isso aconteceu há 12 anos. Fui testando em pessoas, observando, e fiquei muito feliz com o resultado. Vejo que não é um tratamento de modismo, como a dieta da lua, a dieta da proteína, etc, pois é bem específica, personalizada e tem uma vantagem muito grande que é o fato de você também passar a se conhecer emocionalmente. Normalmente não imaginamos o quanto a comida pode interferir no nosso estado emocional, como para alguns o caso do queijo, que acentua características melancólicas. Eu não imaginava que pudesse haver essa interferência, e quando comecei a observar, tirando por exemplo, este alimento da dieta de quem não podia comê-lo, fui vendo a melhora destas pessoas e a cura de doenças que causavam tanto sofrimento em suas vidas.

 

O que é a Biotipologia?

A Biotipologia é um estudo muito antigo baseado na medicina chinesa, egípcia e indiana que afirma não existirem doenças, mas sim pessoas doentes em função de estados emocionais negativos. Assim entende-se que para cada doença existe uma emoção correspondente. Endossada por Freud, Jung e Rudolf Steiner, que traçaram perfis psicológicos dos indivíduos, foram classificados 4 temperamentos universais: Renal, Cardíaco, Pulmonar, Hepático. Esse trabalho consiste em ajustar a alimentação para cada biotipo, que é definido a partir de características físicas e de acordo com o alimento que traz ou tira a energia de cada um. Essa dieta não é para emagrecer, mas isso pode acontecer porque ao ingerir o alimento ideal para o seu biotipo, o corpo desinflama e se torna mais saudável.

 

Qual a principal diferença entre a Biotipologia e a maioria das dietas e orientações nutricionais conhecidas atualmente?

A Biotipologia traz uma dieta para você se conhecer melhor, se fortalecer e se nutrir. É um estudo da essência do ser humano, atuando em seu aspecto físico, emocional, mental e espiritual, interagindo com as forças da natureza, condição para que se tenha uma melhor compreensão de si mesmo, afim de que se possa viver em harmonia.

 

Além de identificar a dieta ideal, que outras revelações a Biotipologia apresenta?

Ao saber qual é o seu biotipo, você passa a entender melhor o seu funcionamento. Uma pessoa hepática, que é o mais vegetariano dos biotipos, se continuar evitando comer carne, vai pensar com mais clareza, desinflamar o corpo, e o emocional também melhora, porque o metabolismo começa a trabalhar melhor.

 

Historicamente, como foi a relação dos povos antigos com a Biotipologia?

Na China foi onde houve a maior compreensão sobre a questão do alimento, pois os orientais são bastante observadores. Este era um estudo reservado, feito para os nobres, os sábios, porque eles não podiam ficar doentes, tinham que ter um pensamento claro para definir a vida de uma nação. Enquanto isso, os demais ficavam em um estado hipnótico em um inconsciente coletivo, que leva todos a seguirem o mesmo caminho. Ao se alimentar bem você se livra disso, passa a ter consciência do seu comportamento, do seu querer e do seu bem-estar.

 

Que sinais indicam que alguém não está se alimentando de forma correta e que precisa rever a sua dieta?

A pessoa fica doente, fraca, irritada, engorda, tem anemia, dores na coluna, além de dores em geral que podem ser os principais sinais de uma alimentação incorreta.

 

Para quem a Biotipologia é indicada?

Para todos.

 

Como é realizada a identificação de um biotipo?

Pela aparência física e por um teste que determina qual alimento dá mais energia para cada um. Com relação ao físico, um biotipo cardíaco tem a aparência física diferente do pulmonar e assim por diante.

 

Você poderia falar um pouco sobre o teste para identificação do biotipo?

Para identificar os alimentos que fornecem energia para alguém é necessário utilizar amostras de diferentes alimentos e ir separando-as conforme o resultado obtido. Essa seleção é que irá definir o biotipo. Então por exemplo, o gengibre fornece energia para o biotipo renal, enquanto que para os outros tira a energia. A água de côco, é só para o biotipo pulmonar. Hoje muitos bebem água de côco e acham que estão se hidratando, mas não, ela diminui a energia das pessoas de outros biotipos. Alguém vai morrer? Não. Vai ficar doente imediatamente porque tomou uma água de côco? Não, mas se tomar sempre, a dificuldade que o seu organismo tem de se equilibrar para você ficar saudável novamente, para metabolizar aquela comida ou aquela bebida que você não poderia consumir, e restituir a saúde, demora um tempo. Logo, você vai perder mais energia tomando uma água de côco do que se fortalecendo com todos os sais minerais que tem a água. Agora, para o biotipo indicado é tudo de bom.

 

Quais as principais diferenças entre os quatro biotipos?

Um deles tem como característica predominante a criatividade (Pulmonar), outro a inteligência (Hepático), outro a intuição (Renal) e o último a força física (Cardíaco). Os orientais observaram também que havia um grupo de animais com o instinto parecido com alguns temperamentos humanos. Como o gato (Pulmonar), o boi (Cardíaco), o cachorro (Hepático), morcego (Renal). Os biotipos foram associados também aos elementos da natureza: fogo, terra, água, ar e madeira.

 

É possível alguém apresentar características de mais de um biotipo ao mesmo tempo?

Sim. Temos os quatro biotipos, o que predomina possui 60% de atuação no nosso comportamento, e os demais, 20%, 15% e 5% respectivamente.

 

Quais são os principais direcionamentos que cada um recebe após ter o seu biotipo identificado durante a consulta?

O indivíduo irá saber quais alimentos são ideais para o seu biotipo e aqueles que não são recomendados, além de identificar características do seu próprio comportamento.

 

Como costuma ser o período de adaptação para quem inicia as alterações em sua dieta?

Alguns reclamam, porque tem muita dificuldade de mudanças e geralmente estão mais acomodados. Existem bebidas que são indicadas apenas para algumas pessoas, então se torna mais difícil seguir a dieta em eventos sociais, por exemplo. Mas é muito importante saber qual é a bebida ideal para você curtir melhor um passeio, uma festa, sem ficar de ressaca no dia seguinte, por exemplo. Se você bebe algo “errado” porque todo mundo está bebendo, passa a fazer parte daquele inconsciente coletivo onde todos estão fazendo e eu vou fazer também. Mas a partir do momento em que temos este conhecimento, passamos a utilizar o nosso poder de decisão para selecionar somente o que nos faz bem. Assim, no dia seguinte eu estou ótima enquanto os outros que beberam algo que não lhes faz bem, ficaram de ressaca.

 

Quais foram os principais relatos que você já recebeu de mudanças na vida de seus pacientes que realizaram a dieta biotipológica?

Há casos de pessoas que estavam diabéticas e que a doença ficou controlada, outras que já não sofrem mais com os males da menopausa, ou que emagreceram naturalmente sem fazer regime, comendo só a comida que podiam. Ficaram mais alegres, saudáveis, estimuladas a caminhar, a fazer ginástica, e com uma qualidade de vida muito melhor.

 

Você utiliza a Biotipologia em conjunto com outros tipos de atendimentos? Quais?

Trabalho com Detox, com Biorressonância, Acupuntura e Cinesiologia, dependendo da necessidade. Tem pessoas que possuem uma resistência muito grande por um bloqueio emocional ou crenças, então vamos desbloquear. Tem também a Biorressonância, para os casos em que alguém já está com uma infecção ou inflamação desenvolvida.

 

E para finalizar, gostaria de acrescentar mais alguma observação?

Eu sou suspeita para falar sobre isso porque sou apaixonada pela Biotipologia, que já trabalho há 12 anos, e agora observo especialmente nos cursos que há uma troca de experiência muito grande, onde muitas pessoas passam a se conhecer melhor, destravando alguns traumas ficando mais felizes e esperançosas para viver uma vida bem mais saudável.

 

Realizamos também a cobertura do Curso Biotipologia – O Poder Dentro de Você, realizado pela Cacilda em Curitiba. Aqui você vai saber mais sobre os aprendizados que tivemos durante estes 2 dias e a importância da Biotipologia para uma vida saudável.